Os Jacarés da Lagoa da Pampulha

Os Jacarés da Lagoa da Pampulha

 

Entre os anos de 2014 e 2016 acompanhei e rastreei em reportagens do jornal Estado de Minas os jacarés que habitam a Lagoa da Pampulha, um reservatório artificial na Região Norte de Belo Horizonte e atração turística da orla dotada de monumentos concebidos por Oscar Niemeyer e contratados por Juscelino Kubitschek. E quem disse que seria esse um lago completamente artificial? Pois nessa orla existem muitos abrigos para pássaros, capivaras e o mais impressionante: pelo menos 20 jacarés-do-papo-amarelo.

Esse predador fantástico está no topo da cadeia alimentar da Lagoa da Pampulha e é um tanto arredio. Não se vê tais animais nadando a todo momento, caçando ou tomando sol. São raras essas aparições e, por isso, durante esse tempo, tentei esse rastreamento através de muita observação, de dicas de pessoas que estavam por lá e também ao navegar com os experientes funcionários da Sudecap, da Prefeitura de Belo Horizonte, que mantém a lago e sua limpeza.

Pretendente ao trono que um dia foi do maior jacaré da Pampulha (Foto: Mateus Parreiras)

Com esses esforços pude encontrar vários jacarés em áreas remotas e difíceis de se acessar por terra. Mas nenhum desses jacarés era tão grande e poderoso quanto o que ganhou o nome de JK. Esse espécime robusto chegou a apresentar mais de 3 metros de comprimento e a pesar facilmente mais de 200 quilos. Era o maior predador da região e tinha dentro de seu território os domínios completos sobre os demais répteis de sua espécie. Nenhum outro jacaré se atrevia a entrar ali.

Com isso, JK pescava nesse recorte do lago à vontade, sem nenhuma ameaça. Tanto que, imagino, seja por isso que eu consegui chegar bem perto dele, como vocês podem ver no vídeo abaixo meu canal do YouTube, o Missão Carcará (aproveite e se inscreva lá para receber minhas aventuras sempre que eu postar, semanalmente!).

Depois de praticamente 30 anos de vida, JK encontrou o final do seu ciclo natural e morreu, em 2016. O corpo foi encontrado boiando e, depois de estudos, tudo indica que morreu de causas naturais, ou seja, de velhice. Uma das coisas que muita gente se perguntava era se um outro jacaré iria disputar os domínios do maior predador que já existiu na Lagoa da Pampulha?

E essa pergunta foi respondida há alguns dias atrás, quando tive a informação de que os domínios de JK estavam sendo alvo de um novo candidato a ser o rei da Lagoa da Pampulha. O Pretendente seria esse um príncipe herdeiro dos domínios de JK? Ou apenas um pirata tirando os despojos enquanto as lutas pela sucessão ainda correm naquele ecossistema selvagem?

Assista ao vídeo sobre o novo jacaré dominante no meu canal do YouTube, o Missão Carcará (aproveite e se inscreva lá para receber minhas aventuras sempre que eu postar, semanalmente!).

Fato é que esse jovem jacaré ainda vai ter que engordar e crescer muito para fazer sombra ao que foi o grande JK. Para se ter uma ideia, ele mal passa dos 2 metros de comprimento e deve pesar pouco mais que um jogador de basquete, acima de 100 quilos. Ainda tem que crescer muito e se tornar ainda mais feroz para intimidar os outros antes de reclamar para si os domínios que foram de JK.

Uma coisa que chama atenção é o comportamento que pode denotar sim, a tentativa de buscar aquele local como seu domínio, como seu território de caça e acasalamento. O jovem petulante ficou durante muito tempo tomando sol naquela área e vagando de um lado para o outro, intimidando outros jacarés. Quem sabe já não está em campanha para se apoderar daquele braço de lagoa em frente à AABB?

Jacaré que frequenta os domínios de JK parte rumo ao interior da lagoa (Foto: Mateus Parreiras)

Da mesma forma que ele foi ele chegou, nadando pelos domínios que um dia foram do grande jacaré JK, ele se foi. Quem sabe, se mantiver o seu interino reinado, a gente pode fazer uma outra aproximação como fiz um dia com JK, quando enviei um barco de controle remoto para poder filmá-lo e ele quase devorou o aparelho?

Via: http://blogs.uai.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *