Sobre a Lagoa da Pampulha

Sobre a Lagoa da Pampulha

Iniciada em 1936 com a finalidade de fornecer água ao bairro da Pampulha, a represa teve sua capacidade aumentada na gestão do prefeito Juscelino Kubitschek. Passando a ter um perímetro de 18 km. A extensa avenida ao redor tem o nome do seu idealizador Otacílio Negrão de Lima.

Veja também: Pontos Turísticos da Lagoa da Pampulha

A construção da Pampulha, apesar de não ter sido ideia original de Juscelino Kubitschek, mas do prefeito anterior, Otacílio Negrão de Lima, ultrapassou o projeto inicial ao adquirir maior suntuosidade: um complexo arquitetônico, criado por Oscar Niemeyer, que se tornou marco artístico internacional, demonstrando a capacidade de JK de conciliar ideias antigas com seu dinamismo e espírito empreendedor. O entretenimento era incorporado ao cotidiano da cidade, que, ao frequentar o Cassino e a Casa do Baile, desfrutava de ambiente luxuoso.

Cartão postal de Belo Horizonte, a Lagoa da Pampulha representa, mundialmente, as propostas de modernidade dos anos 40. Turistas e moradores da capital têm contato com o conjunto de intervenções urbanísticas e construções reveladoras da interação entre a arquitetura, as artes plásticas e o paisagismo de fino gosto. O gênio criador,Oscar Niemeyer marcou profundamente o espaço urbano que se estendeu para além dos limites da cidade projetada e circunscrita ao anel da Avenida do Contorno.
Ao longo dos anos, a Pampulha assumiu sua vocação natural para o turismo e o lazer. A riqueza do complexo arquitetônico atrai milhares de turistas que veem ícones da modernidade nas curvas da Igreja de São Francisco, no Museu de Arte Moderna e na Casa do Baile, construções geradas sob as perspectivas desenvolvimentistas do prefeito da época, Juscelino Kubitschek. O projeto previa a construção de uma série de edifícios em torno de um lago artificial: um cassino, um clube de elite, um salão de danças populares, uma igreja e um hotel, que não foi construído. A obra é projetada como um conjunto em que cada elemento é visto de forma independente e autônoma. Além disso, os edifícios são pensados em estreita relação com o entorno, que fornece a moldura natural e a inspiração para os desenhos e as plantas. O centro do projeto, de acordo com a encomenda, deveria ser o cassino, que foi o primeiro edifício a ser construído.

A Lagoa da Pampulha, com 18 quilômetros de extensão, representa um belo cenário para diversas atividades como: caminhada, ciclismo, competições internacionais, queima de fogos, também é palco de grandes eventos esportivos como a Volta Internacional da Pampulha, entre outras competições nacionais e internacionais.

Declarado recentemente pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade, o Conjunto Arquitetônico da Pampulha é a grande atração de Belo Horizonte. Unanimidade entre moradores e visitantes, a Lagoa da Pampulha e todos os prédios que compõem a obra são mesmo imperdíveis e devem ser vistos como prioritários em uma visita a BH. Um dia será suficiente para curtir e conhecer o básico da Pampulha, mas tenha em mente que ela tem dimensões monumentais e você certamente terá a impressão de ter visto pouco ou de ter corrido demais para conhecer tudo. Se possível, separe dois dias para passear calmamente pela região.

As principais atrações da Lagoa da Pampulha que compõem o conjunto arquitetônico projetado por Oscar Niemeyer, a pedido do ex-presidente Juscelino Kubitschek, são: a Igreja de São Francisco, a Casa Kubitscheck (que preserva a memória do ex-presidente Juscelino); a Casa do Baile, o Museu de Arte Moderna e o Iate Clube. Além das obras de Niemeyer, é possível visitar também o Ginásio Mineirinho e o Estádio Mineirão, onde funciona o Museu Brasileiro do Futebol; o Parque Ecológico da Pampulha, grande área verde para recreação; e o Parque Guanabara, um parque de diversões clássico, nos moldes de antigamente.

Além de ponto turístico, a Lagoa da Pampulha é um convite a curtir o dia sem preocupação. Vale andar de bike, fazer piquenique, deitar à sombra das árvores, aproveitar a vista dos vários mirantes e, claro, ver o pôr do sol por lá! Um dos pontos mais bonitos é o mirante localizado próximo ao encontro da Av. Otacílio Negrão de Lima e a Alameda dos Flamboyants (no lado da Lagoa virado para o Mineirão). Do local, você verá o entardecer com a Igreja de São Francisco.

A volta completa na Pampulha tem 18 km de extensão. Percorrer tudo a pé é tarefa árdua e cansativa. Por isso, veja um mapa da Pampulha antes de começar o passeio para definir os trechos que serão percorridos a pé, de carro ou mesmo de bike. Vale até se programar para estar em um ponto chave na hora do pôr do sol, que costuma ser lindíssimo refletido nas águas. Quanto mais você caminhar, mais irá curtir a maior beleza da Pampulha: a bela vista!

Recentemente foi lançada uma nova linha de ônibus circular que percorre os principais pontos de interesse da Lagoa da Pampulha. A linha alimentadora 512 – Circular Lagoa da Pampulha funciona de terça a domingo e também nos feriados. A linha é comum e a cada vez que o usuário embarcar, deverá pagar uma nova passagem. O custo de cada viagem é R$ 2,65.

Av. Otacílio Negrão de Lima, Belo Horizonte – MG – CEP: 31365-450

Endereço: Avenida Otacílio Negrão de Lima