Belo Horizonte começa a retomar vida cultural

A vida cultural de Belo Horizonte, cidade conhecida por seus festivais, mostras e mostras, está gradativamente se recuperando a partir do dia 3 de julho, data de inauguração de teatros, museus e cinemas marcados pela cidade. A taxa da Covid19 na capital ganhou impulso com a vacinação.

Nesta semana, muitos espaços anunciaram seu retorno, com exposições, shows e exibição de filmes. Na quarta-feira (7), quatro museus públicos (Museu Histórico Abílio Barreto, da Casa do Baile, do Museu da Imagem e do Som e do Museu da Moda) reabriram as portas para visitação, além do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), que faz parte do Circuito Liberdade. (Veja abaixo a lista de espaços reabertos)

Outros locais ainda não definiram datas de reabertura e seguem com programação virtual, como o Memorial Minas Gerais Vale e o Espaço do Conhecimento da UFMG, ambos também do Circuito Liberdade. Aliás, todos os 18 museus da Universidade Federal de Minas Gerais ainda estão fechados.

“Os espaços culturais da UFMG estão plenamente ativos, no modo virtual, desde o início da pandemia, com inúmeras atividades artísticas e culturais disponíveis em seus sites e redes sociais. Neste momento, estamos adaptando os espaços físicos, segundo os protocolos das autoridades sanitárias e do Comitê Permanente de Enfrentamento do Novo Coronavírus da UFMG”, disse a universidade.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Protocolos de visitação

Shows e teatros serão com público sentado, com limite de 600 pessoas. Se o show ou teatro tiver alimentação ou bebida, terá limite de 400 pessoas.

No caso de cinema, museu e galeria, o funcionamento seguirá as regras do ano passado, com 50% de sua capacidade, obedecendo critérios de metragem quadrada por pessoa.

Alguns locais exigem que o visitante agende sua visita pela internet para evitar aglomerações

Veja a lista de espaços reabertos

No MHAB, seguem em exibição duas exposições, uma no Casarão e outra na Galeria do museu. A mostra “Complexa Cidade” é composta por dois circuitos: Habitar a Rua e Habitar a Casa. Por meio de objetos, vestígios arqueológicos, mapas, fotografias, pinturas e representações literárias, a exposição propõe ao visitante uma reflexão acerca da complexidade da cidade e das múltiplas maneiras de ocupá-la, abordando temas recorrentes à lógica da vida urbana, tais como personagens, rua, ocupações do espaço, mobilidade, trabalho, ócio, centralidades, ritos e poética urbana, entre outros. A mostra também está disponível em formato virtual.

Já na exposição “Gráficografia”, o acervo do Museu de Arte da Pampulha (MAP) e sua missão de fomentar a produção artística contemporânea são o destaque. A mostra, que integra a programação do projeto Pampulha Território Museus, apresenta uma seleção de obras gráficas do MAP, ao lado de importantes itens do Museu Histórico Abílio Barreto e de produções de artistas convidados. Em seu conjunto, a exposição irradia grafismos compostos com recursos das artes visuais e do design, e propõe uma reflexão acerca das linguagens e manifestações gráficas contemporâneas e suas influências no tecido urbano e social de Belo Horizonte.

Av. Prudente de Morais, 202 – Cidade Jardim.

Horário de visitação: quarta-feira a domingo, das 11h às 18h.

  • Casa do Baile

A Exposição “Marcel Gautherot – registros modernos da invenção da Pampulha: depois e além”, foi lançada em dezembro de 2020, como parte do projeto Pampulha Território Museus. A mostra apresenta uma seleção de imagens do fotógrafo francês Marcel Gautherot, além de livros, revistas, vídeos e documentos acerca de sua obra. A coleção enaltece a vocação da Casa do Baile como Centro de Referência de Arquitetura, Urbanismo e Design.

Av. Otacílio Negrão de Lima, 751.

Horário de visitação: quarta-feira a domingo, das 11h às 18h.

  • Museu da Moda (Mumo)

O Mumo traz a exposição “Arquivo Urbano: 100 anos de fotografia e moda no Brasil”, com o registro das mudanças no modo de vestir dos brasileiros, traçando um panorama dos seus hábitos e costumes nos últimos 100 anos. Foram resgatadas fotografias de álbuns de família, instituições, museus e acervos particulares. Além de fotógrafos anônimos, que registraram o dia a dia de suas famílias, a mostra inclui também imagens de profissionais consagrados.

Outra exposição em cartaz no Mumo é “Alceu Penna – Inventando a Moda do Brasil”. A mostra coloca sob os holofotes o trabalho de criação do mineiro Alceu Penna por meio de recorte da sua carreira de sucesso. Nascido em Curvelo (MG), Alceu é figura emblemática do cenário brasileiro. Transitou pelas áreas do design gráfico, jornalismo, ilustração, figurino, estilismo, publicidade, cenografia e, entre outras atuações, pode ser considerado o precursor do jornalismo de moda no Brasil. Ficou famoso pela criação das Garotas, seção que publicava, semanalmente, de 1938 a 1964, na revista O Cruzeiro, que revolucionou a moda e o comportamento no país durante esse período. A exposição também está disponível em formato virtual.

R. da Bahia, 1149 – Centro.

Horário de visitação: quarta-feira a sábado, das 11h às 18h.

  • Museu Imagem e do Som (MIS)

A exposição “TV Itacolomi – A Pioneira de Minas” reúne fotografias, depoimentos, objetos e registros audiovisuais ligados à primeira emissora de TV de Minas Gerais. Fundada em 1955, a TV Itacolomi foi um importante marco para o desenvolvimento das comunicações no estado, e exerceu grande influência sobre a vida cultural em Belo Horizonte, impulsionando o surgimento e o crescimento de diversos artistas mineiros. A mostra também está disponível em formato virtual.

Av. Álvares Cabral, 560.

Horário de visitação: quarta-feira a sábado, das 11h às 18h.

O agendamento deve ser feito no portal da prefeitura. As entradas são gratuitas.

  • Museu das Minas e do Metal

O Museu das Minas e do Metal reabriu suas portas nesta sexta-feira(9), com a exposição Vetor Vivo, do arquiteto João Diniz. Somente o primeiro andar terá o acesso liberado.

Praça da Liberdade , s/nº – Prédio Rosa.

Horário de visitação: terça-feira a sábado, das 11h às 18h. Nas quintas-feiras, de 11 às 21h.

  • Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)

O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) está aberto desde quarta-feira (7). Obras de Yara Tupynambá e Abraham Palatnik estão expostas no espaço.

As visitas devem ser agendadas pela internet.

Horário de visitação: quarta-feira a segunda-feira, das 10h às 22h.

  • Palácio das Artes

A Fundação Clóvis Salgado está retomando gradualmente as suas atividades presenciais. Está em cartaz o espetáculo de teatro “…Incomoda, incomoda, incomoda…”, com sessões às 20h30 (quarta-feira a sábado), e às 19h (domingo), no Grande Teatro do Palácio das Artes.

A exposição Imagens Resolutivas, resultado da 4ª edição do Festival Internacional de Fotografia de Belo Horizonte (FIF-BH), ocupa três galerias do Palácio das Artes (Genesco Murta, Arlinda Corrêa Lima e Aberta Amilcar de Castro), além da fachada, e a CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais.

Horário da bilheteria: segunda-feira a sábado, das 10h às 21h. Domingo, das 17h às 20h.

Via: G1