Lagoa da Pampulha: a proteção do patrimônio é o desafio de BH nos seus 123 anos

Em 2016, as construções da Pampulha receberam o título de patrimônio cultural da humanidade. Paralelamente à marcação, recomenda-se também a preservação total da paisagem local, pelo que é necessário manter a limpeza da lagoa, restaurar a parte paisagística e retirar as instalações auxiliares do Iate Ténis Clube. Mas ainda há muito trabalho a ser feito para atender a essas recomendações.

A Lagoa da Pampulha também é motivo de atenção. Ela está no nível três de poluição, o que significa que as pessoas podem se aproximar, mas não devem ter contato com a água. Além disso, o mau odor chama atenção de quem passa pela região. Com a prefeitura trabalhando cada vez mais para restaurar a água em um estado adequado para a população

Ainda assim, a beleza imponente da Lagoa e sua orla não passa despercebida pelos inúmeros moradores de Belo Horizonte e turistas que passam por lá. Para o arquiteto Guilherme Takeda, o fato de a Pampulha ser um patrimônio da humanidade é um bem inestimável, algo que não podemos de maneira alguma deixar passar desapercebido. Segundo ele, é um grande orgulho para o Brasil, não apenas para a cidade de BH.